Para nós, todo programa de formação integra uma passagem obrigatória pela aprendizagem da leitura da imagem. Esta necessária alfabetização dos cidadãos do século XX, segundo Walter Benjamin, permite a capacidade crítica e em seguida a autonomia na produção pessoal.

O resultado dos cursos ou residências é a criação de um ensaio fotográfico. A direção artística, cujo princípio é a maiêutica, permite em cada etapa da produção colocar questões pertinentes que vão permitir ao autor almejar uma concretização, sob forma de maquete de livro ou de exposição, da carga poética de que ele é portador.

Linha geral de direção artística:
Produção de obra editorial -  Conceito de exposição

Filosofia

A Arte é uma questão de forma e não de conceito. A direção artística é um acelerador, um processo de análise, é o acompanhamento dialético do nascimento de uma forma. A fotografia é um atelier específico na sua articulação ao visível. Um olhar sobre o olhar, sendo sempre um olhar sobre o mundo, é a direção do olhar que questiona. Sabemos depois de André Kertesz que tudo é fotográfavel, mesmo um garfo pousado sobre a borda de um prato. Se o fotógrafo tem talento seu olhar transcende o visível, e ele faz deste visível uma forma inesquecível que toca a inteligência, a sensibilidade e o nosso inconsciente coletivo.

Metodologia

A direção artística deve ser uma escuta atenta do artista, que tenta questionar através das formas. Ela repousa sobre uma confiança recíproca. Ele pede ao diretor artístico uma imersão profunda na trajetória do fotógrafo. O diretor artístico é um espectador privilegiado e preocupado, mesmo as questões colocadas pelas formas já produzidas, onde as vezes, o autor não está, ainda, plenamente consciente. O diretor artístico deve utilizar meios apropriados para que o fotógrafo encontre soluções, ou seu caminho pessoal para “parir” de uma forma eficaz que faça sentido. A questão do vetor pertinente (Instalação, vídeo, jornal, livro, portfólio, etc.) é central. Isto se faz através de um reagrupamento, questionamento e decantação.

Desde a sua origem, o livro é o espaço privilegiado para a fotografia, um vetor considerável através do tempo e do espaço. Toda a produção é iluminada por estas considerações. A exposição que permite um encontro direto entre o fotógrafo, o público e as obras é um vetor complementar, mas totalmente efêmero.

Neste mundo imagético digital, como fazer poesia mantendo um senso ético e estético continua sendo o desafio maior.

Pierre Devin
Belo Horizonte, Maio 2008.


Residências

Residência fixa – O territoire Sensible possui um projeto permanente de residência artística em sua sede em Taulignan, vilarejo medieval protegido por muralhas e onze torres, numa das paisagens mais atrativas da Europa, a Provence.

Disponibiliza-se acomodação, alimentação, transporte local, ateliê e laboratório fotográfico (para imagens em até meio formato), câmeras reflex analógicas, tripés, biblioteca com três mil obras, "dvdteca" com dois mil filmes selecionados, além de uma agenda de fornecedores como printers, moldureiros, encardenadores, etc .

Possibilidades de residências em grupo, hospedagem individual ou coletiva.

No territoire Sensible a direção artística é a catalisadora das ideias, fornecendo informações e acompanhamento nas questões pertinentes ao desenvolvimento de um projeto autoral do momento de sua idealização a sua finalização em forma de livro ou exposição.

Residência nômade – Em território geográfico a ser escolhido para a realização de ensaio fotográfico autoral, são residências em formato expedições , individuais ou em grupo, permitindo a produção de olhares diversos sobre um mesmo território bem identificado.

Em territórios temáticos, ex: natureza morta, retratos, paisagem, retratos de família, animais, etc…permitindo a criação de um imaginário poético e formal.

Público interessado – jovens autores em busca de formação e reflexão; autores em processos de finalização. Fornece-se direção artística e coordenação editorial.

A temática e metodologia das residências serão elaboradas conforme o desejo e necessidade de cada autor.

O valor das residências serão discutidos caso a caso dependendo do tempo solicitado ou necessário de cada um.

Os interlocutores dos residentes são  Pierre Devin e Fabiana Figueiredo, sendo possível a participação e intervenção de outros autores, de acordo com a proposta da residência e disponibilidade de verba.